PMDB define realização de pré-convenção e reforça unidade após o resultado #‎EuQueroVotarno15

PMDB 15 o maior Partido do Brasil

Em reunião realizada nesta quinta-feira (27), na Capital, a executiva estadual do PMDB e as bancadas estadual e federal, incluindo os senadores Luiz Henrique e Casildo Maldaner, definiram a realização de uma pré-convenção que deverá indicar o caminho do partido nas eleições deste ano. Os líderes da sigla foram unânimes ao afirmar que independente do resultado todos apoiarão a decisão que vir das urnas. “O PMDB vai estar unido e respeitar  o que for decidido”, garantiu o presidente da sigla, Eduardo Pinho Moreira.

A pré-convenção não tratará de nomes e sim se o PMDB terá ou não candidatura própria para governador. A data defendida pela maioria dos presentes foi a do dia 26 de abril. No próximo dia 10 de março será realizada uma reunião da executiva estadual para definir os encaminhamentos e análise de requerimentos, como o do prefeito de Balneário Camboriú, Edson Piriquito, que defende a antecipação do evento para março. A decisão da executiva será homologada pelo diretório. “Trata-se de uma decisão de comum acordo e seja qual foi o resultado vamos apoiar”, afirmou o deputado federal Mauro Mariani.

“Todos entendemos que o PMDB deve voltar ao governo, uns entendem que isso deva ocorrer agora e outros que deve ser depois. Mas independente de qualquer coisa, estaremos juntos”, reforçou o senador Luiz Henrique.

Durante a reunião os peemedebistas também reforçaram as manifestações de solidariedade ao companheiro Romildo Titon, que foi afastado da presidência da Assembleia Legislativa por decisão do Tribunal de Justiça, e ressaltaram que estão otimistas de que a questão será em breve solucionada.

O prefeito Edson Piriquito também afirmou que respeitará a decisão do partido, mesmo que o seu requerimento não seja aprovado. Fez uma declaração emocionada sobre o sonho de governar Santa Catarina e garantiu que só renunciará à prefeitura se existir a possibilidade de concorrer como candidato a governador.

Eduardo Moreira fez uma avaliação positiva do encontro destacando o sentimento de respeito e união nas decisões do grupo. “A tradição democrática do PMDB mais uma vez prevalece entre todos”, encerrou.

PMDB/SC

Ataque dos ruralista aos direitos humanos

Na última semana, foi divulgado pela Mobilização Nacional Indígena um vídeo que mostra representantes da bancada ruralista protagonizando mais uma cena de afronta pública aos direitos de índios e outras minorias.

Nas imagens, gravadas durante uma audiência em Vicente Dutra (RS), os deputados Luís Carlos Heinze (PP-RS) e Alceu Moreira (PMDB-RS) não só incitam a violência contra lideranças indígenas que tentam retomar suas terras invadidas por fazendeiros, grileiros e madeireiros, como também insultam outras populações tradicionais do Brasil e homossexuais, e reforçam o discurso inverossímil acerca da demarcação de terras indígenas para o público de produtores rurais.

Os parlamentares se referem a índios, quilombolas, gays e lésbicas como “tudo o que não presta”, e estimulam agricultores a usarem de segurança armada para expulsar indígenas do que consideram serem suas terras. Ao contrário do que sugerem, porém, a demarcação de terras indígenas é direito previsto na Constituição Federal, e o governo Dilma é notadamente o que menos demarcou terras desde a Ditadura Militar.

Ao longo dos anos, as estatísticas de violência por questões fundiárias só vêm aumentando. Nos noticiários, a grande imprensa ressalta a “invasão” de fazendas por indígenas, sem mencionar que são, na maioria das vezes, atos de reocupação de territórios tradicionalmente ocupados e a eles garantidos por lei. Nas cidades, a violência em protestos também tem sido atribuída aos manifestantes populares, sendo as forças policiais do Estado poupadas das críticas mais duras.

Vendo imagens como as do vídeo citado acima, nós nos perguntamos: de onde será que vem a violência no Brasil? Será que vem mesmo por parte dos movimentos sociais? Atitudes como as propostas pelos deputados ruralistas não podem se tornar a maneira corrente de cessar os conflitos – seja no campo ou na cidade.

Enquanto eles estimulam o uso de armas e força bruta como uma iniciativa de “defesa” própria, nós também chamamos a sociedade a se defender, mas por vias legais. O projeto de iniciativa popular pela lei do Desmatamento Zero é uma alternativa para todos os cidadãos, de zonas rurais ou urbanas, que repudiam atos de violência contra a floresta e seus habitantes, e que querem um país melhor para essa e as próximas gerações.

Você que já assinou a petição, agora é hora de compartilhá-la com seus amigos:

FacebookTwitter

Compartilhe a petição

Por um futuro mais justo e livre. SEM VIOLÊNCIA.

Junte-se a nós

Instalação dos trabalhos da comissão da criança e do adolescente na Alesc

Direitos da criança e do adolescente

Os integrantes da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Parlamento Catarinense reelegeram o Deputado Serafim Venzon como presidente do colegiado em reunião extraordinária ocorrida na tarde desta quinta-feira (20).  O deputado Ismael dos Santos foi reconduzido à vice-presidência da mencionada Comissão.

A principal meta desta Comissão é trabalhar de forma rápida na tramitação das matérias e ao mesmo tempo promover ações e estratégias de prevenção e proteção às crianças adolescentes catarinenses, além de estreitar o relacionamento com instituições governamentais e não governamentais a fim de intensificar parcerias na promoção de cursos de capacitação.

A primeira reunião ordinária da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente em 2014 está marcada para quarta-feira, 12 de março, às 14 horas, na Sala de Imprensa.

Composição da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente

  • Presidente: Serafim Venzon – PSDB
  • Vice-Presidente: Ismael dos Santos – PSD
  • Membros: Carlos Chiodini – PMDB
    Dirce Heiderscheidt – PMDB
    Sandro Silva – PPS
    Valmir Comin – PP
    Volnei Morastoni – PT

Entre em contato com a comissão

Any Santos, chefe de secretaria cca.alesc@gmail.com cca@alesc.sc.gov.br (48)3221-2973

Incidente no sistema Eletrosul de Ilhota afeta subestações da Celesc

Acabou a luz

Uma ocorrência na Subestação da Eletrosul em Ilhota, registrada às 17h55 desta terça-feira, 25, desligou duas subestações da Celesc, uma em Itajaí e outra em Balneário Camboriú, conectadas ao sistema Eletrosul.

No momento da ocorrência, o fornecimento de energia foi interrompido para 73.000 unidades consumidoras, localizadas principalmente nos municípios de Balneário Camboriú, Camboriú, Ilhota e Itajaí.

A Celesc está remanejando cargas para outras subestações, a fim de minimizar o número de unidades consumidoras atingidas, porém, o restabelecimento total só ocorrerá com a recomposição do sistema da Eletrosul.

Fonte: Centrais Elétricas de Santa Catarina, por Ana Carolina Dall’Agnol anacda@celesc.com.br.

A “Investigação a partir de histórias: um manual para jornalistas investigativos” de Mark Lee Hunter

Livro, publicado pela primeira vez em 2009 e já conta com versões em sete idiomas, é uma ferramenta básica para começar e terminar um trabalho investigativo, oferecendo conteúdo para o aprendizado de técnicas básicas. A “Investigação a partir de histórias: um manual para jornalistas investigativos”, de Mark Lee Hunter, é um guia amplamente reconhecido por jornalistas investigativos de várias partes do mundo, publicado pela primeira vez em 2009, em diversas línguas. Naquele momento, as versões em espanhol e português não estavam disponíveis. Baixe a publicação em português clicando neste link: http://bit.ly/Ms7TLw.

UNESCO lança edição em português de manual para jornalistas investigativos

A UNESCO lança esta semana as versões em português e espanhol de seu manual para jornalistas investigativos. Foto: iStockphoto (via site da UNESCO)

UNESCO lança esta semana as versões em português e espanhol de seu manual para jornalistas investigativos.

“Investigação a partir de histórias: um manual para jornalistas investigativos”, de Mark Lee Hunter, é um guia amplamente reconhecido por jornalistas investigativos de várias partes do mundo, publicado pela primeira vez em 2009, em diversas línguas. Naquele momento, as versões em espanhol e português não estavam disponíveis.

Cinco anos mais tarde, devido à grande demanda, a UNESCO lança nestas línguas, gratuitamente, esta notável publicação. Ambas as versões já estão disponíveis para download, e se somam aos outros cinco idiomas previamente publicados.

O valor e a importância da precisão, do cuidado e da busca detalhada de informações pelo jornalismo investigativo em uma democracia são cada vez mais reconhecidos. Suas contribuições são essenciais para a governabilidade democrática.

A existência de um “watchdog” (cão de guarda) público que expõe e informa aos cidadãos e cidadãs sobre as eventuais más práticas dos membros supostamente confiáveis da sociedade ou do governo é fundamental para uma democracia que está funcionando de forma saudável. No entanto, Mark Lee Hunter sugere que o jornalismo investigativo envolve não somente cobrir o que não funciona bem.

'Investigação a partir de histórias: um manual para jornalistas investigativos', de Mark Lee HunterAo longo da publicação, ele reforça: “Por fim, não busque apenas coisas que envolvam transgressões. É frequentemente mais difícil realizar um bom trabalho de registro sobre algo que está dando certo – entender um novo talento, ou um projeto de desenvolvimento que alcançou as suas metas, ou uma empresa que está gerando riqueza e empregos. Identificar os elementos replicáveis do sucesso, ou as ‘melhores práticas’, é um valioso serviço aos seus expectadores”.

Devido à natureza do seu trabalho, jornalistas investigativos enfrentam, com frequência, muitos desafios inesperados, especialmente em países onde o Estado de Direito ainda não está consolidado. Na última década, mais de 600 jornalistas foram mortos e muitos mais sofreram ataques não fatais. Além disso, tem havido um reduzido índice de condenação dos autores desses crimes.

Promover a segurança dos jornalistas faz parte dos compromissos de longo prazo da organização, por isso a UNESCO esteve envolvida, desde o início, com o Plano de Ação das Nações Unidas sobre a Segurança dos Jornalistas e a Questão da Impunidade, que foi aprovado pelo Conselho dos Chefes Executivos das Nações Unidas, em 12 de abril de 2012. A UNESCO também salienta a importância da liberdade de informação para o jornalismo investigativo.

A UNESCO reconhece não apenas a importância do jornalismo investigativo, mas frequentemente promove debates sobre a responsabilidade da mídia e os padrões profissionais e éticos, além de também sublinhar as ameaças a que estão sujeitos os jornalistas durante o exercício de seu trabalho. Neste contexto, fornece aos jornalistas informações, treinamento e materiais que lhes permitam exercer melhor sua profissão; é o caso neste manual.

A UNESCO encoraja e apoia os jovens que estão interessados no jornalismo investigativo como uma vibrante carreira profissional e, portanto, a organização está especialmente entusiasmada em oferecer ao público que fala português e espanhol mais esta ferramenta de trabalho.

De acordo com o autor Mark Lee Hunter, “há uma série de reportagens investigativas importantes produzidas em espanhol e português, em países como Brasil, México e outros países latino-americanos, bem como na Europa, África e, em particular, em Moçambique”.

A publicação centra-se na abordagem baseada na investigação por hipótese. Todas as etapas do processo investigativo, desde a concepção, passando pela pesquisa, controle de qualidade, escrita e divulgação são aplicadas e foram exaustivamente analisadas e bem ilustradas por estudos de caso reais em cada capítulo.

A UNESCO convida o público a baixar uma cópia gratuita do manual e assistir a um pequeno vídeo de Mark Lee Hunter falando sobre o lançamento do livro em português e espanhol.

Baixe a publicação em português clicando aqui.

“Sem medo do Flash”. Descubra todos os segredos para fotografar com flash dedicado

Sucesso no mundo inteiro, esta obra ensina como tirar proveito de todas as possibilidades do flash, seja em modo manual, automático ou em TTL, independentemente se você fotografa em estúdio ou em locações externas.

De forma simples e objetiva, o autor explica conceitos como número guia, lei inversa do quadrado, sincronismo em primeira e segunda cortina, uso do flash na sapata da câmera ou fora dela, exposição, entre outros. Para facilitar o entendimento de cada conceito, o livro apresenta dezenas de exemplos para obter imagens com precisão e qualidade em qualquer situação, seja de dia ou de noite.

A leitura deste livro é obrigatória para todo fotógrafo que deseja evoluir na arte da iluminação com flashes dedicados. Essa obra se transformará no seu guia de consulta permanente para a produção das suas fotografias.

Saiba como montar um estúdio portátil

Você não precisa contar com pesados equipamentos e acessórios de iluminação para obter resultados espetaculares. Basta descobrir todo o potencial que seu flash dedicado oferece em cada circunstância, aprender a dominar todos os recursos e utilizar os acessórios. O flash oferece versatilidade para criar esquemas atrativos de iluminação em qualquer lugar.

Entenda como funciona seu flash Nikon, Canon ou de outra marca

Quais são as diferenças entre um flash entre uma marca e outra? Como avaliar as características de um flash e outro? O que devo prestar atenção na hora de comprar um flash? Esse guia de flash dedicado explica detalhadamente o funcionamento dos principais flashes da Nikon, Canon e outros modelos, além de mostrar as principais diferenças e modos de configuração específicos para cada sistema.

Misture a luz flash com luz contínua

Saiba como combinar de forma incrível a luz do flash com a luz do ambiente e controlar a exposição da sua imagem. Você poderá se adaptar a qualquer situação de luz, seja de dia ou de noite.

Aprenda todos os segredos sobre sincronismo

Saiba a importância de entender a duração do disparo do flash, o que significa sincronismo e quais são as possibilidades reais deste acessório de iluminação.

Modifique a luz

Já imaginou como seria utilizar um beauty-dish, softbox, snoot ou até ring flash para obter imagens especiais? Conheça os principais modificadores de luz existentes para alterar a qualidade, cobertura e cor.

Sobre o autor

O autor José Antonio Fernández é um profundo conhecedor de iluminação em fotografia. Suas imagens têm sido premiadas em diversos eventos internacionais, como o IPA (USA), International Gala Award (Reino Unido), International APerture Award (Austrália), Glanzilichter (Alemanha), Narava (Eslovênia), entre outros. Na Espanha, ele já recebeu sete prêmios Lux de fotografia. Suas fotografias formam parte de inúmeras exposições em galerias de arte, entre elas o festival PhotoEspaña.

Informações:

Três dias para ajudar jornalistas ucranianos

Repórteres Sem Fronteiras. Três dias para ajudar jornalistas ucranianos

Uma onda de violência sem precedentes afeta a Ucrânia. Já existem mais de 75 mortos e centenas de feridos desde 18 de fevereiro. Jornalistas no chão, testemunhas indesejadas desta tragédia são deliberadamente alvejado. Mais de 180 jornalistas foram feridos desde o início da crise.

Quarta-feira em Kiev, o jornalista Vyacheslav Veremiy morreu de ferimentos de bala. Ele foi arrastado para fora do táxi que trouxe a praça Maidan e batido, em seguida, os agressores dispararam no estômago” quando ele mostrou o seu cartão de imprensa. Ele tinha 33 anos.

Voltamos esta manhã de uma missão ação de emergência em Kiev, juntamente com outras organizações ucranianos e internacionais. Todos os nossos interlocutores sublinharam a falta de equipamentos de proteção cruel. Com o apoio dos Repórteres Sem Fronteiras, 90 capacetes foram distribuídos, mas as necessidades são mais importantes. A compra de coletes à prova de balas, em particular, é essencial.

Precisamos do seu apoio nas próximas horas. Segunda-feira, vamos incorrer em despesas adicionais para ajudar os jornalistas ucranianos. Cada presente é útil e financiar diretamente a prestação da próxima semana, de equipamentos de proteção no chão.Precisamos de 7.000 €. Você tem 72 horas para nos ajudar.

Repórteres Sem Fronteiras é mais difícil do que nunca para a informação livre não é sufocada na Ucrânia. Contamos com você, faça uma doação : https://donate.rsf.org/b/mon-don.

Obrigado a todos! Christophe Deloire.

Antes que o último lar seja incendiado

Fotografia aérea mostra o rastro de fogo queimando casas da comunidade Floresta Negra, perto de Colorado Springs, no Colorado. O incêndio é considerado o mais devastador já visto no Estado, no Oeste americano, e já destruiu 360 casas

A polícia queniana, fortemente armada, acaba de queimar mil casas, forçando famílias nativas a saírem da floresta do Quênia, local onde viveram por séculos. Essa comunidade desesperada necessita de nossa ajuda para salvar suas casas – e sua floresta – antes que tudo esteja destruído para sempre.

O Banco Mundial doou milhões de dólares vindos do nosso imposto para a polícia florestal queniana, que está agora aniquilando essa antiquíssima comunidade. E — com um novo financiamento em jogo neste ano – o Banco tem enorme poder de influência sobre o governo. Até agora, o Banco Mundial permaneceu calado diante desta situação, mas se conseguirmos engrossar o apelo desta comunidade por ajuda, poderemos forçá-lo a ordenar que esse horror seja interrompido.

O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, diz que deseja transformar o Banco. Vamos fazer com que ele cumpra com sua palavra e exija do governo queniano que pare com essas cruéis ocupações de terra e comprometa-se com novos padrões de direitos humanos ao conceder futuros financiamentos. Quando um milhão de nós assinarmos a petição, conseguiremos a atenção do presidente Kim ao mostrar casas pegando fogo do lado de fora do QG do Banco em Washington. Coloque seu nome e então envie uma mensagem ao Presidente agora: http://www.avaaz.org/po/stop_the_forced_evictions_loc/?bYLqhbb&v=35802.

O povo sengwer vive há séculos em sua majestosa floresta Embobut e os direitos a suas terras ancestrais estão protegidos pela Constituição do Quênia e pelo direito internacional. Eles já conseguiram uma decisão judicial para interromper a tomada das terras, mas o governo a ignorou, sob o argumento de que precisam limpar a floresta para proteger recursos hidrológicos de cidades vizinhas. Os sengwer temem que, em seguida, a floresta seja dizimada para atender interesses financeiros.

O Banco tem apoiado muitas boas iniciativas, mas por muito tempo tem transferido a culpa aos governos e às companhias para os quais concede empréstimos quando projetos destruidores forçam pessoas a deixarem suas terras. Mas a maré está virando. Após um forte clamor, o Banco se retirou de projetos que estavam tirando 30 mil cambojanos por ano de suas casas. E ainda admitiu que ignorou sua própria política quando financiou uma empresa de óleo de palma acusada de despejos violentos e de assassinatos. O Banco agora está investigando o escândalo envolvendo os Sengwer, mas não rápido o suficiente para conseguir salvar os antiquíssimos povos da floresta do Quênia.

O Congresso dos Estados Unidos exigiu que o Banco impedisse os despejos sob pena de perder dinheiro norte-americano. É o momento perfeito para interromper essas apropriações brutais de terra no Quênia e forçar a instituição a levar os direitos humanos a sério. Assine agora – quando um milhão de nós estivermos a bordo, entregaremos diretamente nossa mensagem ao Presidente Kim: http://www.avaaz.org/po/stop_the_forced_evictions_loc/?bYLqhbb&v=35802.

Após o governo da Tanzânia anunciar um plano para mandar embora famílias maasai de suas terras para construir  uma reserva de caça, quase dois milhões de membros da Avaaz se uniram para ficar ao lado de sua comunidade. Fizemos pressão ao longo de um ano até que o primeiro-ministro da Tanzânia permitiu que o povo permanecesse em suas casas, ajudando a por fim a 20 anos de batalha pelas terras. Os maasai dizem que não conseguiriam sem nós – agora façamos o mesmo pelo povo sengwer.

Com esperança, Allison, Alex, Joseph, Emilie, Alice, Sayeeda, Ricken e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Certidões cíveis no registro de candidaturas para as Eleições de 2014

Ficha limpa

Pressionando os Ministros do Tribunal Superior Eleitoral para que aceite certidões cíveis no registro de candidaturas para as Eleições de 2014.

Passados 4 anos desde a aprovação da Lei Ficha Limpa, ainda falta um passo fundamental para que candidatos “ficha suja” tenham suas candidaturas rejeitadas. Esse passo é muito simples e basta uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral para que aconteça. O que estamos pedindo é que as Certidões Cíveis dos candidatos sejam requeridas no processo de registro de candidatura, assim como já é requerida a Certidão Criminal.

Esse é uma  articulação do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) e já estamos lutando contra a corrupção há anos. Foi o nosso movimento que idealizou a Ficha Limpa, e nós que saímos às ruas para coletar mais de 1,3 milhão de assinaturas para apresentar este projeto de lei de iniciativa popular. E foi graças à pressão da sociedade sobre nossos parlamentares que a Ficha Limpa foi aprovada.

Esta campanha é urgente, o TSE só tem até 5 de março (menos de um mês) para apresentar as resoluções que serão válidas para as eleições de outubro de 2014. Nós contamos com a sua ajuda para pressionar o TSE para que a Ficha Limpa cumpra sua promessa de barrar corruptos das urnas.

Assine! Acesse a petição por esse link!