É a Bíblia – impactando os Jogos Olímpicos de 2016

É a Bíblia - impactando os Jogos Olímpicos de 2016, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Quando o mundo se reunir para assistir aos Jogos Olímpicos de 2016, todos os olhos estarão voltados para o Rio de Janeiro. E você pode se conectar de maneira singular a esse fenômeno global assistindo essa série de 15 vídeos especiais: A Bíblia e as Olimpíadas! Você vai se inspirar enquanto aprende sobre o impacto da Bíblia nas Olimpíadas modernas e ao descobrir como a Palavra de Deus influenciou a vida de esportistas Olímpicos famosos, como a ginasta Shannon Miller, o corredor Eric Liddell, a estrela do futebol Kaká, a atleta Lolo Jones e muitos outros!

Sobre o editor

Gostaríamos de agradecer ao Museum of the Bible por fornecer esse plano. Para mais informações, visite: www.museumofthebible.org. Fonte: YouVersion.

😀

Livro promove discussão sobre o legado da Copa e das Olimpíadas no Brasil

Ao conquistar o direito de sediar a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, o Brasil aceitou o desafio de realizar dois megaeventos esportivos globais, que ao mesmo tempo despertam paixões e desconfianças. Há argumentos que defendem os eventos como uma janela singular e histórica de oportunidades, mas, longe do consenso, também surgem críticas que consideram tais projetos excludentes, potencializadores da desigualdade social nas cidades-sede e do endividamento público.

A polêmica abre espaço para um amplo debate sobre o que significa para o Brasil sediar os megaeventos esportivos mais simbólicos do mundo na atual conjuntura política, econômica e social. É nesse sentido que a Boitempo Editorial publica a coletânea Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas?, editada no calor da hora, com contribuições de Andrew Jennings, Luis Fernandes, Raquel Rolnik, Ermínia Maricato, Carlos Vainer, Jorge Luiz Souto Maior, José Sergio Leite Lopes, Nelma Gusmão de Oliveira, entre outros. O livro de intervenção será lançado na primeira semana de junho e traz perspectivas variadas sobre o papel contraditório do esporte na sociedade brasileira entre a construção da identidade nacional, os impactos urbanísticos e as transformações dos megaeventos esportivos ao longo da história.

A Boitempo realizou debates de lançamento do livro Brasil em jogo em São Paulo e Rio de Janeiro, na primeira semana de junho, uma semana antes da Copa do Mundo, em locais e datas a serem divulgados em breve. Confira os vídeos desses encontros.

Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas?

Livro - Brasil em jogo o que fica da Copa e das Olimpíadas

Em meio a um crescente número de manifestações e um intenso debate sobre os impactos da Copa do Mundo em nossas cidades, a Boitempo Editorial amplia o debate ao lançar em junho a coletânea Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas?, editada no calor da hora, com contribuições diversas, como o jornalista investigativo escocês, Andrew Jennings; o secretário executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes; a relatora especial da ONU, Raquel Rolnik; os urbanistas Ermínia Maricato (USP) e Carlos Vainer (UFRJ); o jornalista Juca Kfouri (quarta capa), entre outros. Para tornar o livro acessível ao maior número de pessoas, autores cederam seus textos, possibilitando que o volume chegue ao mercado a preço de custo (R$ 10,00).

Os megaeventos esportivos globais despertam, ao mesmo tempo, paixões e desconfianças. Um dos grandes méritos de Brasil em jogo é trazer argumentos dos dois lados em um embate de ideias que só tem a enriquecer o leitor. Assim, o livro apresenta perspectivas variadas sobre o papel do esporte na sociedade brasileira e na construção da identidade nacional, os impactos urbanísticos e as transformações dos megaeventos esportivos ao longo da história. A coletânea conta ainda com uma cronologia detalhada sobre os megaeventos esportivos, desde a origem até os tempos atuais.

O livro

Ter um olhar crítico sobre os megaeventos no Brasil não é patriótico nem antipatriótico. É apenas o necessário olhar crítico.
Juca Kfouri

Ao conquistar o direito de sediar a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, o Brasil aceitou o desafio de realizar dois megaeventos esportivos globais, que despertam, ao mesmo tempo, paixões e desconfianças. Há argumentos que defendem os eventos como uma janela singular e histórica de oportunidades, mas, longe do consenso, também surgem críticas que consideram tais projetos excludentes, potencializadores da desigualdade social nas cidades-sede e do endividamento público.

A polêmica abre espaço para um amplo debate sobre o que significa para o Brasil sediar os megaeventos esportivos mais simbólicos do mundo na atual conjuntura política, econômica e social. É nesse sentido que a Boitempo Editorial publica a coletânea Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas?, editada no calor da hora, com contribuições de Andrew Jennings, Luis Fernandes, Raquel Rolnik, Ermínia Maricato, Carlos Vainer, Jorge Luiz Souto Maior, José Sergio Leite Lopes, Nelma Gusmão de Oliveira, Antonio Lassance, Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, João Sette Whitaker (apresentação) e Juca Kfouri e Gilberto Maringoni (quarta capa). O livro de intervenção chega às livrarias às vésperas da abertura da Copa do Mundo, na primeira semana de junho e traz perspectivas variadas sobre o papel contraditório do esporte na sociedade brasileira e na construção da identidade nacional, os impactos urbanísticos e as transformações dos megaeventos esportivos ao longo da história. A coletânea traz ainda uma cronologia detalhada sobre os megaeventos esportivos, desde a origem até os tempos atuais.

Brasil em jogo é o terceiro título lançado na já consolidada coleção Tinta Vermelha, publicada em parceria com o portal Carta Maior.  A obra segue a linha de Cidades rebeldes: passe livre a as manifestações que tomaram as ruas do Brasil (2013), com o mesmo formato e preço (R$10,00 o impresso, R$5,00 o e-book). Para tornar o livro acessível ao maior número de pessoas, autores cederam gratuitamente seus textos e fotógrafos abriram mão do pagamento por suas imagens, possibilitando, assim, à editora colocar o volume no mercado a preço de custo. A proposta tem dado certo: em menos de um ano desde a publicação da primeira tiragem, venderam-se mais de 20 mil exemplares de Cidades rebeldes.

Por ocasião do lançamento de Brasil em jogo, a Boitempo promoverá debates em São Paulo e no Rio de Janeiro, na segunda-feira, 9 de junho de 2014. Em São Paulo, Raquel Rolnik, Jorge Luiz Souto Maior, João Sette Whitaker e Guilherme Boulos (MTST) se reunirão no Anfiteatro de História da FFLCH/USP. No Rio de Janeiro, Jose Sérgio Leite Lopes, Carlos Vainer, Nelma Gusmão de Oliveira e um representante do MTST se encontrarão no Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ. Ambas atividades são gratuitas e acontecerão simultaneamente, às 18h.

Com a colaboração dos autores deste livro e de outros que fazem parte do catálogo da editora, a Boitempo seguirá, até o final da Copa, alimentando a reflexão no Blog da Boitempo, em uma seção especial disponível em: http://blogdaboitempo.com.br.

Ficha técnica

  • Título: Brasil em jogo
  • Subtítulo: o que fica da Copa e das Olimpíadas?
  • Autores: Vários
  • Páginas: 96
  • Preço: R$ 10,00 | Ebook: R$ 5,00
  • Ano: 2014
  • Coedição: Boitempo e Carta Maior

Mais informações: